Últimas páginas visitadas

Lei Maria da Penha, Combate à Violência Doméstica, Campo Grande (MS)
Promovido pelo Judiciário local, ato em Campo Grande alerta para agressões a mulheres (Divulgação/TJMS)

O recado foi dado: a população de Campo Grande é contra todas as formas de violência contra as mulheres. A demonstração de repúdio à violência foi dada na última sexta-feira (28), na Caminhada pela Paz – Mulher Brasileira – Todos emPENHAdos Contra a Violência, que reuniu cerca de mil pessoas que saíram da frente do Fórum de Campo Grande e seguiram até o Cijus (Centro Integrado de Justiça), onde foi feita a concentração final que contou com a participação especial da dupla Victor Gregório e Marco Aurélio, que também são parceiros nessa causa.

O objetivo da caminhada foi chamar atenção para um problema alarmante e preocupante: mulheres que ainda sofrem violência de seus companheiros. Diante dessa realidade tão triste de violência sofrida pela mulher, o presidente do Tribunal de Justiça, des. Divoncir Schreiner Maran, conclamou todo o Poder Judiciário, instituições e sociedade para propagar a cultura da paz dentro de casa.

Todo o trajeto foi conduzido pelo locutor e radialista Joel Silva, que mostrava os dados da violência doméstica contra as mulheres. Diversas autoridades compareceram para caminhar junto ao grupo e usaram o microfone para mostrar que o Poder Público está do lado da mulheres.

A juíza Jacqueline Machado, titular da Vara de Medidas Protetivas na Capital e Coordenadora Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, no Brasil, foi a idealizadora da caminhada, além de outras ações que já estão sendo desenvolvidas para este ano de 2017. Segundo a magistrada, uma mulher morre a cada 90 minutos vítima de feminicídio, 52% das mulheres vítimas não fazem denúncia e sofrem caladas e MS é o quinto estado brasileiro em taxa de feminicídio, segundo pesquisa do Instituto Datafolha.

Ainda segundo a magistrada, que atua na Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande, apesar da rede de proteção, os casos continuam ocorrendo e eventos como este servem justamente para que as vítimas procurem ajuda.

“Com a estrutura que nós temos na Casa da Mulher, em Campo Grande, fica mais fácil para a mulher buscar proteção. Mas não podemos dizer que os casos tenham diminuído, mas ao contrário, continuam ocorrendo, e cada dia mais graves e nós estamos com este trabalho, justamente para prevenção, dando visibilidade a esta causa, deixando a mensagem de que nós não toleramos mais qualquer forma de violência contra as mulheres”, disse Jacqueline Machado.

Durante toda a semana, o programa Capital Meio Dia, da Rádio Capital, trouxe uma personalidade para abordar o tema violência contra a mulher. Foram entrevistadas as juízas Jacqueline Machado e Liliana Monteiro, além de Luciana Azambuja e Carla Stephanini.

O Poder Judiciário estará engajado durante todo o ano de 2017, na Campanha Mulher Brasileira, que faz parte da mobilização nacional "Justiça pela Paz em Casa", idealizada pela presidente do STF e do CNJ, ministra Cármen Lúcia.

A campanha é um projeto inédito no Brasil e tem ações como o "Mãos emPENHAdas contra a violência", que capacita profissionais da área da beleza para que sejam agentes multiplicadores de informação no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher, identificando e orientando as clientes de como combater e denunciar os abusos. Os estabelecimentos que aderirem ao projeto terão um Selo de Parceria para identificar sua participação.

Fonte: TJMS


Tópicos: Lei Maria da Penha,Justiça pela Paz em Casa

SEPN Quadra 514 norte, lote 9, Bloco D CEP: 70760-544 

Telefones - 55 61 2326-5000/5001 Horário de atendimento ao público: das 12h às 19h, de segunda a sexta-feira, exceto nos feriados.

W3C Válido