CNJ oferece primeiro curso de atualização para instrutores em mediação

Você está visualizando atualmente CNJ oferece primeiro curso de atualização para instrutores em mediação

Cerca de 40 pessoas, entre instrutores de conciliação, advogados e professores de faculdades de Direito participaram, nesta terça-feira (7/6), do 1º Curso de Atualização em Mediação Judicial e Conciliação para Instrutores da Iniciativa Privada, oferecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10), em Brasília. O curso, presencial e rápido (quatro horas de duração), tem como objetivo atualizar os conhecimentos desses especialistas – que lidam diariamente com mediação de conflitos.

“Não estamos ensinando técnicas de mediação, aqui damos as dicas e trocamos experiências com esse sujeito que é um multiplicador da política pública em seu local de origem”, explicou o conselheiro Emmanoel Campelo, coordenador do Comitê Gestor do Movimento pela Conciliação no CNJ. Para Campelo, o envolvimento dos inúmeros agentes da Justiça na política pública da conciliação é fundamental para o aprimoramento e o descongestionamento da Justiça.

Os alunos do curso – mediadores que atuam como instrutores ou professores na área privada há pelo menos cinco anos – partilham da mesma opinião. “Temos de conhecer essas técnicas, afinal de contas, com o novo CPC (Código de Processo Civil), quem vai mediar somos nós”, afirmou o advogado cível Ricardo Bacelar, que se diz um entusiasta das técnicas que visam a pacificação social na Justiça. Para Bacelar, o futuro da advocacia no país está “na estrada que leva para a mediação”. “Nos EUA, mais de 90% dos processos são mediados. Seguir esse caminho é o mais lógico. Até porque o aparelho judicial hoje em dia está muito congestionado. Um processo leva tempo demais para tramitar e você não resolve o problema de ninguém”, completou.

A professora de mediação da Faculdade de Fortaleza (Unifor) Mônica Carvalho Vasconcelos também vê na mediação uma via sem volta e com largo campo de atuação, principalmente acadêmico. “Sabemos que a saída é nesse rumo e as universidades terão de se adaptar. Até pouco tempo atrás, ensinavam e cobravam apenas doutrina, jurisprudência e lei. Agora, estamos diante da importância dos cursos como esse, que falam de casos onde o que vale são as técnicas autocompositivas, onde aprendemos com as experiências”, disse.

O curso de atualização e formação de Instrutores em Mediação Judicial e Conciliação conferidos pelo CNJ estão previstos da Resolução 125/2010, que instituiu a Política Nacional de Conciliação, no Poder Judiciário. Mediação e conciliação são formas de solução de conflitos na qual uma terceira pessoa, neutra e imparcial, facilita o diálogo entre as partes. Podem ser usadas em conflitos simples (um problema bancário) ou complexos (separação familiar).

Em nenhum dos casos o acordo é obrigatório, pois as partes têm autonomia para buscar soluções que compatibilizem seus interesses e necessidades.

Para mais informações sobre o Movimento pela Conciliação, clique aqui.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias