GT vai melhorar divulgação de informações sobre reinserção de presos no mercado de trabalho

Você está visualizando atualmente GT vai melhorar divulgação de informações sobre reinserção de presos no mercado de trabalho
Compartilhe

Membros dos Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMFs) aprovaram, na segunda-feira (16/12), mudança que promete dar mais visibilidade a ações relacionadas à reinserção de presos e ex-presidiários no mercado de trabalho. Em reunião realizada no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), magistrados de todo o País criaram um grupo de trabalho que vai propor melhorias para otimizar o Portal de Oportunidades, página do CNJ em que empresários cadastram vagas de emprego disponíveis para presos e egressos do sistema prisional.

Desde que o Portal foi criado com o Programa Começar de Novo, em 2009, empresários o utilizaram para oferecer 10.215 vagas de emprego, sendo que 6.046 delas foram preenchidas. No entanto, o diagnóstico dos magistrados do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), do CNJ, é de que a realidade é outra. Segundo o juiz do DMF Luiz Carlos Rezende, a ferramenta está sendo “subutilizada”. Na segunda-feira, a página informava haver 3.588 vagas de empregos disponíveis para a população carcerária em todo o País.  

“O objetivo do grupo de trabalho é tornar o Portal de Oportunidades mais útil tanto para empresários quanto para presos e egressos do sistema carcerário. O que queremos é dar visibilidade às oportunidades para sentenciados”, afirmou o magistrado. Entre as questões que serão discutidas no grupo de trabalho a respeito do funcionamento do Portal, está a dinâmica de envio de informações relativas ao número de presos empregados – em trabalho interno e externo –, assim como a interação com os órgãos dos governos estaduais que são parceiros do Começar de Novo.

Programa – O Portal de Oportunidades faz parte do Programa Começar de Novo, que promove a integração das ações entre o Poder Judiciário e atores da sociedade, como empresas e instituições públicas – para que sejam ofertadas oportunidades de estudo, capacitação profissional e trabalho para detentos, egressos do sistema carcerário, cumpridores de penas alternativas e adolescentes em conflito com a lei.

O programa tem como principais parceiros os tribunais de Justiça, encarregados de buscar a adesão de instituições públicas e privadas. Um dos principais resultados do programa é o emprego de mais de 700 detentos em obras de infraestrutura relacionadas à Copa do Mundo Fifa 2014.

Manuel Carlos Montenegro
Jorge Vasconcellos
Agência CNJ de Notícias