Aprovado relatório final do Mutirão Carcerário em Alagoas

Você está visualizando atualmente Aprovado relatório final do Mutirão Carcerário em Alagoas
Compartilhe

Por unanimidade, os conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovaram, na  terça-feira (17/12), durante a 181ª Sessão Ordinária, o relatório final do Mutirão Carcerário do estado de Alagoas, realizado no período de 4 de novembro a 6 de dezembro. O documento traz uma série de recomendações às autoridades do estado, entre elas a instalação de unidades prisionais para o cumprimento de pena nos regimes semiaberto e aberto.

“No tocante à situação dos presos condenados em Alagoas, o problema mais grave identificado pelo Mutirão Carcerário foi a inexistência, no estado, de unidades para cumprimento de pena no regime semiaberto”, atesta o relatório, que aponta prejuízos à ressocialização dos presos. “Essa deficiência, além de contribuir para a superpopulação carcerária, faz que muitos presos deixem o regime fechado sem ter tido oportunidades de ressocialização, o que favorece a reincidência criminal e gera círculo vicioso de criminalidade”, diz o documento.

Segundo o relatório, desde a interdição judicial da Colônia Agroindustrial São Leonardo, em setembro de 2008, os condenados em regime semiaberto e aberto de Alagoas cumprem pena em prisão domiciliar, o que dificulta o acesso a ações oficiais que lhes ofereçam estudo, capacitação profissional e trabalho. A interdição do semiaberto foi proposta pelo Ministério Público estadual, devido à inadequação da colônia agroindustrial.

A aprovação do relatório pelo Plenário do CNJ se deu na análise da Petição Avulsa 0007524-24.2013.2.00.0000, relatada pelo conselheiro Guilherme Calmon, que, no CNJ, atua como supervisor do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF). Esse departamento é coordenado pelo juiz auxiliar da Presidência Douglas de Melo Martins. Ambos os magistrados são responsáveis pela condução da política nacional dos Mutirões Carcerários.

Vagas – O relatório do CNJ, ao todo, recomenda ao governo estadual a criação, no prazo de um ano, de mais 1.150 vagas no sistema prisional. Segundo o Mutirão Carcerário, o estado tem 3.171 detentos para apenas 1.924 vagas.

O governo local também é orientado pelo CNJ a promover a reforma das unidades prisionais, “em especial no que se refere à salubridade das celas, melhorando a circulação de ar e a entrada de luz natural, no prazo de três meses”, conforme o relatório, que também recomenda a realização de concursos públicos para a contratação de mais agentes penitenciários e de defensores públicos.

Há no documento orientação para que sejam desativadas, no prazo de três meses, as carceragens existentes em delegacias de polícia. Essas carceragens, para o CNJ, são vulneráveis a tentativas de resgates de presos e não apresentam as mínimas condições estruturais e de higiene. Além disso, obrigam os agentes de polícia a abandonar investigações para cuidar dos presos, embora não sejam formados para atuar como agentes penitenciários.

Outro problema apontado pelos inspetores é o alto índice de presos provisórios (ainda não julgados) no estado, de 59%, acima da média nacional, de 42%. O relatório propõe que o Judiciário de Alagoas realize correição e preste apoio às comarcas com índice de presos ainda não julgados superior à média nacional. É dado prazo de dois meses para o Judiciário alagoano enviar ao DMF/CNJ o diagnóstico com as causas do problema e as soluções.

O relatório também recomenda ao Judiciário a promoção, no prazo de seis meses, de parceria com a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) para a realização de seminário ou outros mecanismos de formação e incentivo à aplicação de medidas cautelares diversas da prisão e de penas e medidas alternativas.

Com o objetivo de aprimorar o sistema prisional e promover a ressocialização dos presos, o relatório propõe o fortalecimento do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas (TJAL). A medida, segundo o documento, permitiria, ao mesmo tempo, melhor acompanhamento da situação das prisões e a intensificação das ações do Programa Começar de Novo, do CNJ, voltado à reinserção social de presos e egressos do sistema prisional.

O Mutirão Carcerário do CNJ em Alagoas foi coordenado pelo juiz Reno Viana, do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), que contou com a parceria do juiz José Braga Neto, indicado pelo TJAL para atuar na coordenação dos trabalhos. O relatório será entregue às autoridades alagoanas em solenidade no estado. A data ainda não foi definida.

Jorge Vasconcellos
Agência CNJ de Notícias