Acusados de assassinar Ceci Cunha são condenados após 13 anos

Compartilhe

http://farm6.staticflickr.com/5024/5633036352_0712ea3d1f_m.jpgApós quatro dias de julgamento, os cinco acusados pela morte da médica e deputada federal de Alagoas Ceci Cunha, de seu marido e de dois parentes, foram considerados culpados por homicídios qualificados, sem chance de defesa e por motivo torpe. O julgamento, que começou na segunda-feira (16/1) e terminou na madrugada desta quinta-feira (19/1), soluciona um caso que tramita na Justiça há 13 anos e  foi incluído no Programa Justiça Plena da Corregedoria Nacional de Justiça, órgão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em 2010.

 

O programa objetiva monitorar e agilizar a tramitação de ações de grande repercussão social que estejam, por qualquer motivo, enfrentando obstáculos na Justiça. Após a leitura da sentença, nesta quinta-feira (19/1), o juiz federal André Luís Maia Tobias Granja, titular da 1ª Vara da Justiça Federal em Alagoas (JFAL) fez um agradecimento especial à ministra Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça, na pessoa dos juízes auxiliares da Corregedoria Erivaldo Ribeiro e Nicolau Lupianhes, este último presente no julgamento. 
 
O ex-deputado Talvane Albuquerque, acusado de ser o mandante do crime conhecido como chacina da Gruta, foi condenado a 103 anos e 4 meses de prisão e deverá pagar R$ 100 mil de indenização aos filhos de Ceci. Os quatro assessores de Talvane Albuquerque também foram condenados: Jadielson Barbosa da Silva (105 anos de reclusão), pelas circunstâncias do crime; Alécio César Alves Vasco (87 anos e 3 meses de prisão); José Alexandre dos Santos (105 anos); Mendonça Medeiros Silva (75 anos e 7 meses).

O juiz titular da 1ª Vara da Justiça Federal em Alagoas iniciou a leitura da sentença às 4 horas da madrugada desta quinta-feira (19/1), após 23 horas ininterruptas de sessão do Tribunal do Júri. Todos cumprirão pena em regime fechado.

Histórico – A deputada foi assassinada em dezembro de 1998 poucas horas depois de diplomada no cargo. Ela visitava a irmã, Claudinete dos Santos Maranhão, que havia acabado de ganhar um bebê. Três pistoleiros invadiram a casa e dispararam os tiros que mataram Ceci e seu marido, Juvenal Cunha; o cunhado, Iran Carlos Maranhão; e a mãe do cunhado, Ítala Maranhão. Apenas a irmã de Ceci e o bebê sobreviveram à chacina.

De acordo com a sentença, Talvane – primeiro suplente – teria assassinado Ceci para assumir o mandato federal. Havia um plano para eliminar um dos deputados: Augusto Farias, Albérico Cordeiro ou Ceci Cunha, que era a terceira na lista de ordem de preferência.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias com informações da Justiça Federal de Alagoas