Censo do Poder Judiciário é respondido preferencialmente no horário do almoço

Você está visualizando atualmente Censo do Poder Judiciário é respondido preferencialmente no horário do almoço
Compartilhe

Os participantes do Censo Nacional do Poder Judiciário, realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), preferem responder à pesquisa no horário do almoço. Levantamento feito pelo Departamento de Tecnologia da Informação do CNJ mostra que o período de maior incidência do preenchimento de questionários vai das 12h às 14h. Nesse horário, foram contabilizadas mais de 20 mil respostas enviadas entre 26 de agosto e 11 de setembro. Até a tarde desta sexta-feira (13/9), mais de 108 mil servidores responderam ao Censo.

A maior parte dos servidores têm respondido ao questionário no período de 9h às 19h. Nesse intervalo, 86.485 questionários foram respondidos durante os 17 primeiros dias do censo, o que equivale a cerca de 90% do total de preenchimentos. No horário de expediente, cerca de 550 questionários são respondidos por hora.  

Alguns servidores optaram por responder ao questionário à noite. Como o censo é todo feito pela internet, é possível dar as respostas de casa, bastando digitar o CPF no portal do levantamento.

De 26 de agosto a 11 de setembro, apenas 5.628 pessoas preencheram o formulário entre 19h e meia-noite. Até de madrugada há servidores se dedicando à pesquisa. Nos 17 primeiros dias de mobilização, 455 servidores participaram do censo de meia-noite às 5h. O questionário conta com 39 perguntas que podem ser respondidas em apenas cinco minutos.

Até o momento, o segundo dia do Censo, 27 de agosto, bateu o recorde de respostas enviadas: foram 21.831 questionários preenchidos. Em seguida, aparece o dia do lançamento, 26 de agosto, quando o Censo do Poder Judiciário contabilizou 11.859 respostas. No terceiro lugar, o dia 28 de agosto registrou 11.400 participações. Nos dias 7 e 9 de setembro, foi verificada a menor quantidade de preenchimentos, com, respectivamente, 208 e 242 respostas.

Edilene Cordeiro e Mariana Braga
Agência CNJ de Notícias