Cerca de 30% dos servidores da Justiça Estadual respondem questionário do CNJ

Você está visualizando atualmente Cerca de 30% dos servidores da Justiça Estadual respondem questionário do CNJ
Compartilhe

Em duas semanas após o início do Censo Nacional do Poder Judiciário, cerca de 30% dos servidores estaduais de Justiça – 55 mil pessoas – responderam ao questionário. A iniciativa foi lançada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em 26 de agosto. Dos 183.273 servidores estaduais do Poder Judiciário, 40 mil responderam ao Censo na primeira semana do levantamento; outras 15 mil responderam à pesquisa entre os dias 2 e 6 de setembro.

De acordo com os dados percebidos pelo Relatório de Acompanhamento do Censo, entre os Tribunais de Justiça, os maiores crescimentos ocorridos na segunda semana do Censo foram dos tribunais de Justiça do Piauí, que avançou 143% (foram respondidos 350 questionários na segunda semana); do Amapá, que cresceu 105% (mais 214 questionários nos últimos dias); e São Paulo, cujo aumento foi de 96,5%, com aproximadamente 5 mil respostas.

Em comparação com a primeira semana, houve diminuição no ritmo de participação dos servidores estaduais, mas segundo os membros do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do CNJ, que compõe o grupo de trabalho responsável pela elaboração do Censo, isso não é uma surpresa.

Concentração  “A redução no volume de respostas ao longo do tempo era esperada. A adesão ao censo depende bastante das campanhas de comunicação, e na primeira semana elas foram mais concentradas, o que levou à maior mobilização dos servidores. Por esse motivo, é preponderante para o sucesso da pesquisa que as ações de comunicação sejam reiteradas em cada Tribunal ou Conselho, pois esta é uma pesquisa baseada na voluntariedade, ou seja, não há um entrevistador perguntando e registrando as respostas”, explica o pesquisador do DPJ Santiago Falluh Varella.

Ele lembra que várias respostas já foram dadas, fazendo com que muitos tribunais não tenham muito o que crescer nos índices de preenchimento, pois já na primeira semana haviam alcançado 70% das respostas possíveis. É o caso dos tribunais estaduais militares.O pesquisador relata que observou crescimento mais acentuado de adesão ao levantamento nos tribunais que, por algum motivo, não concentraram suas campanhas na semana do lançamento.

Para a diretora técnica do DPJ, Thamara Medeiros, isso não significa necessariamente baixa adesão do tribunal ao projeto. “Houve casos em que a semana de lançamento do censo coincidiu com outros eventos do próprio tribunal, o que explica o crescimento acelerado das respostas na segunda semana do censo”, explica. Houve casos, comenta a diretora, de campanhas que se concentraram nas sedes dos tribunais e, só neste momento estão sendo orientadas para as serventias localizadas no interior.

De acordo com o Sistema de Acompanhamento do Censo, ao todo já foram respondidos 90,1 mil questionários até o fim da manhã desta segunda-feira (9/9), sendo 64.613 só na primeira semana. Faltam 230 mil servidores para responder à pesquisa. Este é o primeiro censo focado no Poder Judiciário brasileiro. O questionário está sendo aplicado em todas as unidades judiciárias brasileiras por meio eletrônico.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias

*Atualizada às 15h54 de 9/9/2013