Conselho regulamenta teto remuneratório do TJMT

Você está visualizando atualmente Conselho regulamenta teto remuneratório do TJMT

As parcelas referentes às vantagens pessoais devidas ao servidor que ocupa cargo em comissão deverão começar a ser pagas pelo Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso (TJMT) separadamente dos subsídios do cargo de origem, cujo valor é estabelecido por lei. Foi o que decidiu o Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por maioria de votos, no julgamento do Pedido de Providências 0005745-05.2011.2.00.0000, durante a sessão plenária nesta terça-feira (19/2).

A decisão nesse Pedido de Providencias atualizou outras já tomadas pelo Conselho, no Processo de Controle Administrativo 1.415, julgado em 2009. O procedimento versava sobre diversos problemas existentes no TJMT decorrentes da falta de uma política destinada à adequada gestão de pessoal.

O principal problema dizia respeito à despesa com os servidores, que representa 90% de todo o orçamento do TJMT. Segundo apurou a Corregedoria Nacional de Justiça, corroborava para esse fato a existência de remunerações discrepantes. Os vencimentos de 665 servidores ativos e 114 inativos, por exemplo, chegavam a consumir até 30% dos recursos destinados ao pagamento de pessoal.

Na ocasião, a Corregedoria Nacional de Justiça constatou também a ocorrência de desequilíbrio remuneratório, com a existência de diversos servidores que recebiam até 300% a mais que outros, apesar de desempenhar a mesma função ou atribuição. Constatou-se que essa disfunção decorria, principalmente, do acúmulo de vantagens pessoais recebidas a título de incorporações de quintos.

A esse respeito, voto elaborado pela então corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, proferido pelo atual corregedor, ministro Francisco Falcão, na sessão plenária, destacou a necessidade de o TJMT acatar o que diz a lei.

“Durante a instrução do presente verificou-se que o Tribunal de Justiça não implantou adequadamente o regime de subsídios disciplinado pela Lei Estadual n. 8.814/2008, posto que tomou medidas em dissonância com dispositivos da Lei Complementar 4 – o Estatuto dos Servidores Públicos da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas”, disse ele no voto.

De acordo com o corregedor, nos casos de servidores com remuneração acima dos valores do subsídio previsto para o seu cargo, o correto é pagar o valor do subsídio fixado em lei, separado de parcela complementar a título de vantagem pessoal, observando-se assim os princípios da reserva legal e da irredutibilidade de vencimentos.
 
“Recomenda-se que o Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso faça o desmembramento da parcela que ultrapassar o maior subsídio previsto na tabela remuneratória vigente, preservando os princípios da irredutibilidade e reserva legal, com  o envio de respectivo projeto de lei à Assembleia Legislativa, para que essa parcela seja gradualmente absorvida pelos aumentos posteriores concedidos por lei ao subsídio”, determinou o corregedor.
 
Giselle Souza
Agência CNJ de Notícias

Deixe um comentário