Começa discussão sobre valorização dos magistrados na Região Norte

Você está visualizando atualmente Começa discussão sobre valorização dos magistrados na Região Norte
Compartilhe

Foi aberto na manhã desta segunda-feira (8/10), na sede do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM), em Manaus, o Encontro Regional Norte do Programa Valorização dos Magsitrados: Juiz Valorizado, Justiça Completa, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Juizes e desembargadores dos estados da região Norte debatem mecanismos de valorização da magistratura e do Poder Judiciário, tanto em sua estrutura interna como perante a sociedade.

O Programa Valorização dos Magistrados é um espaço para discussão de temas como condições de trabalho, segurança, saúde, remuneração, formação, comunicação com a sociedade, além de outros fatores que podem se refletir no exercício da magistratura e na qualidade dos serviços prestados aos cidadãos pelo Poder Judiciário.

Antes do Norte, a iniciativa já foi apresentada nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. De acordo com o coordenador do programa, conselheiro José Lucio Munhoz, presidente da Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ, parte das propostas apresentadas pelos magistrados poderá ser contemplada em atos administrativos do Conselho.

A mesa de abertura do evento foi formada pelo conselheiro José Lucio Munhoz; pelo presidente do TJAM, desembargador Ari Jorge Moutinho da Costa; pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE/AM), desembargador Flávio Pascarelli; e pelo presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Nelson Calandra.

Entre os demais participantes do seminário estão presidentes de associações de magistrados, presidentes de escolas da magistratura, assessores de Comunicação Social do Poder Judiciário e representantes da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil do Amazonas (OAB/AM). O evento tem o apoio da AMB, da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra) e da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe).

Jorge Vasconcellos
Agência CNJ de Notícias