Conselho quer acesso de juízes a informações dos cartórios

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estuda a criação de um sistema de informações que integre cartórios extrajudiciais e magistrados de todo o País. O sistema possibilitará, por exemplo, a penhora online de bens imóveis. O projeto será apresentado pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ Alexandre Azevedo às 16h30 desta quinta-feira (03/05), no Encontro Nacional de Corregedores de Justiça, que se realiza na sede do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estuda a criação de um sistema de informações que integre cartórios extrajudiciais e magistrados de todo o País. O sistema possibilitará, por exemplo, a penhora online de bens imóveis. O projeto será apresentado pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ Alexandre Azevedo às 16h30 desta quinta-feira (03/05), no Encontro Nacional de Corregedores de Justiça, que se realiza na sede do Supremo Tribunal Federal (STF).

 De acordo com Azevedo, a iniciativa dará mais agilidade ao Judiciário. "Informação é poder. O acesso às informações dos cartórios agilizará a execução de processos, diminuindo custos no Judiciário e melhorando o serviço prestado à população", avalia o magistrado.

As informações também podem ajudar a evitar fraudes na área trabalhista. Permitirá, por exemplo, identificar os verdadeiros donos de empresas, para pagamentos de dívidas trabalhistas.

O Encontro Nacional de Corregedores de Justiça é organizado pela Corregedoria Nacional de Justiça, órgão do CNJ, e encerra-se nesta sexta-feira (04/05).

Deixe um comentário