Conselho recomenda ao TJMS discutir pagamento de adicional de periculosidade para servidores em atividades de risco

Você está visualizando atualmente Conselho recomenda ao TJMS discutir pagamento de adicional de periculosidade para servidores em atividades de risco

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou, na sexta-feira (5/12), durante a 23ª Sessão Extraordinária, recomendar ao Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul (TJMS) a realização de estudos sobre a possibilidade de conceder o pagamento de adicional de periculosidade aos psicólogos e assistentes sociais que atuam em atividades consideradas de risco. A decisão foi tomada na análise de pedido de providências apresentado por um grupo de servidores do tribunal e que tem como relatora a conselheira Luiza Cristina Frischeisen.

Os servidores requerem que o CNJ se posicione contra ato do tribunal que lhes negou o pagamento do adicional. Eles alegam correr risco em missões que envolvem o acompanhamento de busca e apreensão de menores em situação de vulnerabilidade e em outras missões sociais, como, por exemplo, a elaboração de relatórios psicológicos.

Em seu voto, a conselheira Luiza Frischeisen considerou improcedente o Pedido de Providências, pois não caberia ao CNJ determinar ao tribunal o pagamento do adicional. No entanto, ela recomendou que o TJMS inicie estudos para avaliar a possibilidade de conceder a gratificação aos requerentes, uma vez que outras unidades da Federação o fazem.

Item 127: Pedido de Providências 0006908-49.2013.2.00.0000.

Agência CNJ de Notícias