Corregedor nacional de Justiça abre 2ª Reunião Preparatória em Brasília

Você está visualizando atualmente Corregedor nacional de Justiça abre 2ª Reunião Preparatória em Brasília
Compartilhe

Foi aberta na tarde desta segunda-feira (17/10), em Brasília/DF, a 2ª Reunião Preparatória para o 10º Encontro Nacional do Poder Judiciário. Ao comentar as principais conclusões do anuário Justiça em Números 2016 (ano-base 2015), produzido pelo Conselho Nacional de Justiça, o corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, destacou as novidades do relatório, como o índice de conciliação e dados sobre a política de priorização do 1º grau.

A mesa de abertura do evento contou com a presença do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, da presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Filho e do presidente do Superior Tribunal Militar (STM), William de Oliveira Barros.

Ao falar de alguns dos dados do Justiça em Números, o corregedor nacional de Justiça apontou para a necessidade de aprimoramento da Política de Priorização do Primeiro Grau, afirmando que esta instância é fundamental ao bom funcionamento da Justiça Brasileira. “É preciso prestigiar a primeira instância, inclusive para retirar o interesse da apresentação de recursos meramente protelatórios”, disse João Otávio de Noronha.

Ao saudar os participantes presentes na reunião, o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, analisou o quadro político institucional atual no qual está inserido o Poder Judiciário. “Precisaremos ser muito criativos diante dos desafios que se colocam”, disse Gilmar Mendes.

Debates – A 2ª Reunião Preparatória para o 10º Encontro Nacional do Poder Judiciário reúne, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta segunda e terça-feira (17 e 18/10) presidentes de tribunais, representantes da Rede de Governança Colaborativa do Poder Judiciário e da área de gestão estratégica dos tribunais. O encontro tem por objetivo não apenas divulgar e debater os resultados da pesquisa Justiça em Números 2016, mas também discutir e propor sugestões das metas nacionais do Judiciário para o ano de 2017.