Corregedoria firma parcerias que darão mais celeridade ao Judiciário fluminense

Você está visualizando atualmente Corregedoria firma parcerias que darão mais celeridade ao Judiciário fluminense
Compartilhe

O corregedor nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, e a presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), desembargadora Leila Mariano, assinaram, nesta segunda-feira (29/4), dois termos de cooperação técnica que visam dar mais celeridade e efetividade aos trâmites processuais na Justiça fluminense. O primeiro marca a adesão do estado ao Projeto Presença do Juiz na Comarca, da Corregedoria Nacional de Justiça. O outro refere-se a uma iniciativa-piloto para citação eletrônica em ações nos Juizados Especiais relativas a bancos, uma parceria realizada com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O conselheiro José Guilherme Vasi Werner, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), também esteve presente à solenidade, realizada no plenário do TJRJ.

O ministro Francisco Falcão afirmou que as assinaturas dos convênios representam relevantes e positivas medidas em benefício do Judiciário e elogiou a iniciativa fluminense. “Constatamos que os magistrados do Rio têm-se destacado pela eficiência e pelo zelo”, afirmou. Em relação ao Projeto Presença do Juiz na Comarca, o ministro destacou que uma sociedade com juiz presente traz a sensação de segurança. “Ajuda a dissuadir a violência e promove a celeridade da Justiça”, ressaltou, destacando a realização de mutirões como meio de promover celeridade no Judiciário, entre outras iniciativas. “Estou certo de que o exemplo deste estado será extensivo ao Brasil, mostrando que é possível responder aos anseios desta sociedade”, declarou.

“Com o Projeto Juiz na Comarca, vamos fortalecer a missão institucional do Poder Judiciário, principalmente no interior, onde o juiz tem peso político muito grande, sendo uma referência para o jurisdicionado”, destacou a presidente do TJRJ.

Informatização  Em relação à citação eletrônica, a ideia, segundo a desembargadora Leila Mariano, é estender o projeto a outras empresas. “Esses pactos nacionais, como o que ora se fará com a Febraban, deverão se desdobrar no âmbito estadual com os diversos bancos que operam em nosso estado. Outros tantos deverão ser firmados com concessionárias, planos de saúde e com o poder público, buscando-se verdadeiros termos de conduta”, anunciou a presidente. Segundo ela, apenas em 2012, foram gastos R$ 712.254,05 com a primeira citação, procedimento que será feito por meios eletrônicos, promovendo economia aos cofres públicos.

Participaram ainda da assinatura do termo do Projeto Presença do Juiz na Comarca representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), da Defensoria Pública do Estado do Rio e do Ministério Público Estadual. Já o termo de cooperação técnica relativo à citação eletrônica dos Juizados contou com a participação de representantes das instituições bancárias Banco do Brasil, HSBC, Bradesco, Itaú/Unibanco, Santander, Citibank e Banco Bonsucesso.

Projetos  O Projeto Presença do Juiz na Comarca, que busca fortalecer a presença do juiz na localidade em que atua, principalmente no interior do estado, prevê a marcação de audiências de segunda a sexta-feira nas comarcas, além de mutirões para sua antecipação, reduzindo-se, assim, o tempo de duração dos processos. A iniciativa prevê o limite de 60 dias para a marcação de audiências. O Rio de Janeiro é o segundo estado a aderir ao projeto, que começou no ano passado, na Paraíba.

Já o projeto-piloto para citação eletrônica em ações dos Juizados Especiais abrangerá seis instituições bancárias (Bradesco, Itaú/Unibanco, Santander, Citibank, HSBC e Banco do Brasil) que concentram grande parte da demanda dessas serventias. O objetivo é trazer economia e agilidade ao trâmite processual. O projeto prevê a realização de audiências concentradas em um mesmo período, facilitando-se o envio, pelos bancos, de representantes mais qualificados para negociar, visando a um número maior de conciliações. Esses representantes passarão por cursos de capacitação negocial promovidos pela Escola Nacional de Mediação e Conciliação. Atualmente, os Juizados Especiais Cíveis do estado contam com um acervo de 776.126 processos.

Agência CNJ de Notícias com informações do TJRJ