Diagnóstico sobre segurança institucional já pode ser respondido

Você está visualizando atualmente Diagnóstico sobre segurança institucional já pode ser respondido
Compartilhe

Já está disponível, na página do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Diagnóstico da Segurança Institucional do Poder Judiciário, que deverá ser preenchido por todos os tribunais do país. O levantamento tem por objetivo coletar informações sobre a estrutura, as atribuições e os serviços prestados pela área de segurança institucional de cada unidade judiciária. A pesquisa está disponível no endereço www.cnj.jus.br/diagnosticodaseguranca e deverá ser respondida até o dia 11 de abril pelos membros da Comissão de Segurança Permanente dos tribunais ou pelo responsável pela segurança institucional do órgão.

O ofício informando sobre o lançamento do diagnóstico foi encaminhado na última sexta-feira (11) pelo presidente do CNJ aos presidentes das 91 Cortes, do Conselho da Justiça Federal (CJF) e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT). Para preencher o formulário, é preciso que o responsável tenha em mãos a senha cadastrada para o tribunal, que foi encaminhada pelo CNJ no ofício.

O diagnóstico é formado por 60 perguntas divididas em seis blocos, dedicados à forma de atuação das unidades de segurança, à coleta de dados referentes à segurança institucional, à estrutura existente nas unidades judiciárias, às ações de segurança do órgão, ao funcionamento das Comissões de Segurança Permanentes e à existência de magistrados em situação de ameaça.

As informações coletadas subsidiarão o Comitê Gestor de Segurança do CNJ na implementação da Política Nacional de Segurança do Poder Judiciário, prevista na Resolução CNJ n. 176/2013, que institui o Sistema Nacional de Segurança do Poder Judiciário (Sinaspj). Os resultados também serão usados na identificação dos tribunais de referência em relação à segurança institucional, na detecção das principais dificuldades e na unificação e padronização de serviços e equipamentos utilizados.

Tatiane Freire
Agência CNJ de Notícias