Estudantes de Direito da FAAP visitam CNJ

Compartilhe

Um grupo de 30 estudantes de Direito da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) visitou o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (17/4). A pedido do conselheiro José Roberto Neves Amorim, idealizador da visita, a corregedora Nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, resumiu aos estudantes as funções e atividades da Corregedoria Nacional de Justiça.

Em breve palestra no plenário do CNJ, a corregedora tentou desmistificar a visão que o público geral, segundo a ministra, tem sobre o trabalho da Corregedoria. “A Corregedoria não é como a inquisição, como dizem, que não dá chance de defesa às partes. As denúncias que recebemos se tornam sindicâncias apenas quando têm fundamento. Caso essa investigação inicial da Corregedoria considere a sindicância pertinente, o caso é levado ao plenário e ao conhecimento do público”, afirmou.

Os estudantes também puderam ouvir palestra do conselheiro Lúcio Munhoz, que ressaltou a diversidade das ações desenvolvidas pelo CNJ. Munhoz citou o Processo Judicial Eletrônico (PJE), o programa nacional de conciliação, o Mutirão Carcerário, o acompanhamento à Lei Maria da Penha e a fixação de metas de desempenho para o Poder Judiciário, entre outros. “É impressionante que, com apenas sete anos de vida, o CNJ já tenha um número tão grande de atividades e programas”, disse.

O secretário-geral do Conselho, Fernando Marcondes, falou sobre a importância do Direito enquanto atividade profissional. “Não vejo profissão mais importante que o Direito, pois nós do Direito é que garantimos que a vida continue com liberdade”, disse.

O conselheiro José Roberto Neves Amorim, também vice-diretor da Faculdade de Direito da FAAP, considerou a oportunidade um privilégio para os alunos e os incentivou a aproveitar cada momento para sua formação pessoal e profissional. Após as palestras no plenário do CNJ, os estudantes seguiram para a sede do Supremo e lá puderam conhecer as instalações da mais alta corte do país, inclusive o gabinete do presidente, ministro Cezar Peluso, com quem puderam conversar rapidamente.

Manuel Carlos Montenegro
Agência CNJ de Notícias