Lewandowski defende unidade do Judiciário em encerramento do Colégio de Presidentes no TJSP

Você está visualizando atualmente Lewandowski defende unidade do Judiciário em encerramento do Colégio de Presidentes no TJSP
Compartilhe

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, defendeu a unidade do Judiciário brasileiro e a autonomia das Cortes de Justiça ao encerrar o 101º Encontro do Colégio Permanente de Presidentes de Tribunais de Justiça do Brasil, no sábado (6/12), na sede do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP). Ele enfatizou a importância da implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe), com a participação de todos os tribunais, como solução para melhorar o funcionamento da Justiça.

Lewandowski destacou que o PJe, desenvolvido pelo CNJ em parceria com tribunais e com participação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), está em revisão diante da dificuldade de algumas cortes em implantá-lo. “Nada será decidido sem se ouvir os tribunais interessados”, declarou o presidente do CNJ. O encerramento do Colégio de Presidentes também resultou da Carta de São Paulo, documento com os principais assuntos deliberados no encontro e que será encaminhado a todas as Cortes de Justiça do Brasil.

Em breve pronunciamento, o presidente do CNJ levou uma palavra de estímulo aos presidentes de tribunais estaduais presentes no Salão Nobre do Palácio da Justiça. A grande tarefa, afirmou Lewandowski, é manter a unidade do Judiciário sem abrir mão da pluralidade em um país de dimensão continental. Ele disse que trabalhará no sentido de zelar pela autonomia dos tribunais e para conduzir o CNJ como um órgão de consulta e de apoio ao Judiciário.

O ministro ressaltou também a eficácia da máquina judiciária e a dedicação diuturna dos mais de 16 mil magistrados brasileiros, a despeito dos problemas enfrentados pelo Poder Judiciário, e apontou para a necessidade de utilizar soluções alternativas para o fim de conflitos. “A atual quantidade de processos em trâmite exige novos métodos e estruturas, como o Cartório do Futuro, iniciativa vanguardeira do Tribunal de São Paulo de que tive a honra de participar em sua inauguração”, afirmou.

Presenças – Além do ministro, a mesa de honra do Colégio de Presidentes contou com a presença do presidente do Colégio Permanente de Presidentes, desembargador Milton Augusto de Brito Nobre; do presidente do TJSP, desembargador José Renato Nalini; do presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), desembargador federal Fábio Prieto; do vice-presidente do TJSP, desembargador Eros Piceli; da conselheira do CNJ Deborah Ciocci e do presidente da Seção de Direito Privado do TJSP, desembargador Artur Marques da Silva Filho.

O ministro Lewandowski foi presentado com um diploma de congratulação pela presença no encontro. Seguiram-se, então, as deliberações que resultaram na formação da Carta de São Paulo, que, em linhas gerais, exorta os tribunais a adotarem ações de desjudicialização e de combate à corrupção sob qualquer de suas formas, declara a premência de garantir aos Tribunais de Justiça plena autonomia para a implantação do processo judicial eletrônico e manifesta apoio às ações do CNJ para a alocação de recursos aos Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF).

Informações do TJSP com Agência CNJ de Notícias