Liminar suspende projeto que transfere depósitos judiciais ao Governo do Paraná

Você está visualizando atualmente Liminar suspende projeto que transfere depósitos judiciais ao Governo do Paraná
Compartilhe

Liminar do Conselheiro Silvio Rocha, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), suspendeu, na quinta-feira (25/7), os efeitos da decisão do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) que aprovou, no último dia 22, anteprojeto de lei complementar que autoriza a transferência, para o Poder Executivo estadual, de até 30% do valor dos depósitos judiciais de natureza não tributária. A liminar foi concedida nos autos do Pedido de Providências 0003107-28.2013.2.00.0000, em que figura como requerente a Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná (OAB/PR). Para o conselheiro, a decisão do tribunal viola o artigo 640 do Código Civil, que dá ao Judiciário apenas a guarda desses valores, mas não a sua livre disponibilidade.

“Os depósitos judiciais constituem valores recolhidos à ordem do Poder Judiciário em instituição financeira oficial para entrega a quem de direito. Por isso, o Judiciário apenas os guarda, mas sobre eles não detém livre disponibilidade, conforme declara, por exemplo, o art. 640 do Código Civil”, escreveu Silvio Rocha na liminar, que ainda será submetida à apreciação do Plenário do CNJ, podendo ser referendada ou rejeitada.

Com o anteprojeto em questão, o governo estadual paranaense pretendia aplicar os recursos dos depósitos judiciais nos setores de saúde, educação, segurança pública, infraestrutura viária, mobilidade urbana e pagamento de requisições de pequeno valor. A transferência dos recursos, segundo a proposta, seria feita por meio de convênio entre o Judiciário e o Executivo. Ainda segundo o anteprojeto, a verba deveria ser restituída ou disponibilizada em até três dias úteis pelo Tesouro Estadual, caso o fundo de reserva, constituído pelos 70% remanescentes dos depósitos judiciais, não fosse suficiente para honrar os levantamentos determinados por decisões da Justiça.

Em 23 de julho, o presidente do TJPR, Clayton Camargo, e o governador do Paraná, Beto Richa, encaminharam o anteprojeto à Assembleia Legislativa. Ele foi autuado como Projeto de Lei Complementar n. 15/2013 e passou a tramitar em regime de urgência pela convocação extraordinária daquela casa legislativa. Com a liminar, o conselheiro determinou a retirada da iniciativa do Poder Judiciário do anteprojeto e proibiu qualquer autoridade do Poder Judiciário do Estado do Paraná de transferir para o Poder Executivo valores relativos a depósitos judiciais recolhidos em instituição financeira oficial, até o julgamento de mérito do procedimento em questão.

O encaminhamento da proposta à Assembleia Legislativa ocorreu após o conselheiro Silvio Rocha conceder outra liminar, assinada em 12 de junho, que manteve com a Caixa Econômica Federal (CEF) a exclusividade na administração dos depósitos judiciais do TJPR. Essa liminar suspendeu os efeitos do Decreto Judiciário n. 940/2013, do TJPR, que previa o fim da exclusividade da CEF, caso a instituição financeira não fosse incluída como agente operador do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siaf) em um prazo de 15 dias.

Jorge Vasconcellos
Agência CNJ de Notícias