Moradores da Cidade de Deus são beneficiados com primeira ação integrada do projeto Casa de Direitos

Compartilhe

Segunda via de identidade, emissão de carteira de trabalho, conciliação em processos, revisão de valores de pensão alimentícia, informações sobre pendências com o INSS bem como dicas e instauração de queixas dentro do que prevê a Lei Maria da Penha (de violência contra a mulher). Estes foram os principais serviços – dentre vários outros – oferecidos aos moradores da comunidade Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, por ocasião da primeira ação integrada da chamada Casa de Direitos, realizada ao longo de todo o dia deste sábado (30).
A iniciativa, que atendeu perto de quatro mil pessoas, segundo informações da polícia militar consiste em parceria firmada entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Ministério da Justiça e tribunais de vários ramos do Judiciário.

Cidadania – A ação integrada teve, como um dos destaques, a conciliação de processos – observada durante as audiências realizadas pelos magistrados em ônibus devidamente colocados `a disposição da comunidade – e contou com a participação dos conselheiros do CNJ Morgana Richa e Nelson Tomaz Braga.

“Projetos deste tipo correspondem à porta de entrada para o acesso da população à Justiça, pois levam informação aos moradores, conscientizam sobre os seus direitos e, em consequência, conduzem à cultura do diálogo e da pacificação de conflitos”, afirmou a conselheira do CNJ Morgana Richa, coordenadora, no âmbito do Conselho, do movimento pela conciliação.

Confiança – “Isso aqui marca a união de todos os poderes. Mostra o Estado retomando o seu lugar onde durante muitas décadas o cidadão ficou abandonado. Consiste no verdadeiro exercício da cidadania que tem contado, sempre, com a participação do CNJ. Prova como mudou a concepção de Justiça depois da entrada do CNJ no cenário nacional, órgão que levou ao aumento da confiança do cidadão em relação à justiça brasileira como um todo”, destacou o conselheiro Nelson Tomaz Braga.

Para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, o resultado da ação é emblemático para o Estado brasileiro, sobretudo numa região marcada por conflitos e violência como a Cidade de Deus, no Rio de Janeiro. Segundo ele, porque marca a autoridade dos diferentes poderes brasileiros no apoio à comunidade. “Essa parceria, além de bastante profícua, tende a ser contínua, daqui por diante”, frisou.

O projeto da Casa de Direitos tem o objetivo de garantir às comunidades acesso à Justiça. De acordo com os seus organizadores, uma das metas previstas é a instituição de uma ordem jurídica justa e da cidadania plena aos moradores de cada localidade onde será instalada, uma vez que cada Casa representará, na prática, a entrada das instituições de justiça formal nestes territórios. As atividades serão, sempre, realizadas com o apoio de juízes, defensores e promotores públicos e diversos funcionários da Justiça.

Hylda Cavalcanti
Agência CNJ de Notícias