Ócio ameaça futuro de adolescentes internados em Brasília

Você está visualizando atualmente Ócio ameaça futuro de adolescentes internados em Brasília

Um dos raros momentos que B. passa fora do alojamento onde vive é quando está lavando o chão do corredor. O jovem de 15 anos está internado na Unidade de Internação do Plano Piloto (UIPP) por causa de um porte de arma e um roubo. Ir à aula e participar de oficinas seriam mais duas oportunidades de deixar o quarto de poucos metros quadrados e porta gradeada. As aulas, no entanto, foram interrompidas recentemente após o assassinato de três internos, e as oficinas que B. fez – elétrica e mecânica – também não foram de muito proveito para ele.

“Acabou há uns três meses. Não deu para aprender muita coisa”, disse o jovem, que pensa em trabalhar em um lava-jato quando terminar de cumprir sua medida socioeducativa. A rotina de ócio que B. e os outros 350 colegas internos compartilham foi uma das constatações das juízas auxiliares da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Cristiana Cordeiro e Joelci Diniz, que visitaram a maior unidade de internação de jovens em conflito com a lei no DF na última terça-feira (18/9).

“Eles ficam ociosos a maior parte do tempo”, disse a juíza Cristiana Cordeiro. “Os internos reclamam de ficar muito tempo no quarto, sem realizar nenhuma outra atividade além da escola”, completou a magistrada Joelci Diniz. Ambas coordenam o Programa Justiça ao Jovem, do CNJ, que fiscaliza as unidades de internação de jovens em conflito com a lei no País.

Internado há dois anos na UIPP, M. reclama da duração do banho de sol. “É só uma hora e meia. A gente precisa de algo para se entreter”, afirmou o jovem de 17 anos. Um colega um ano mais novo que vive no mesmo módulo (como são conhecidas as alas de alojamentos) sugeriu oficinas de estofaria e panificação, “até uma consulta com a psicóloga está bom”, disse. A direção da casa prometeu reestabelecer as oficinas – inclusive panificação – para todos os internos na quinta-feira (20/9).

Segunda fase – Desde julho, as magistradas retornam a unidades de internação visitadas pelo CNJ durante a primeira fase do programa, entre 2010 e 2012. O objetivo é verificar se houve evolução no quadro de precariedade do sistema socioeducativo.

Manuel Carlos Montenegro
Agência CNJ de Notícias

Leia mais:

Superlotação e ociosidade dos jovens ainda marcam antigo Caje

Governo distrital analisa proposta para desativar antigo Caje

Deixe um comentário