Ouvidoria fez em média 1,2 mil atendimentos mensais no 1º trimestre

Você está visualizando atualmente Ouvidoria fez em média 1,2 mil atendimentos mensais no 1º trimestre

Nos primeiros três meses deste ano, a Ouvidoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recebeu 3.874 manifestações – entre críticas, sugestões, elogios ou pedidos de informações. A morosidade processual foi o tema mais questionado. As informações constam do último relatório do setor, criado em fevereiro de 2010 para ser o canal de comunicação direta com o cidadão.

 No período houve um aumento expressivo no número de manifestações. Em fevereiro, a demanda foi  32,37% maior que em janeiro ,e em março  6,4% maior que em fevereiro. Em média, O CNJ recebeu 1.291 manifestações por mês. 

Levando-se em consideração os tipos de demandas, verifica-se que a maior parte delas é de reclamações (60,46%) e de pedidos de informações (27,67%). O maior número de manifestações vem do estado de São Paulo, que registrou 668 demandas, ou 17,24% do total. Na sequência, estão o Rio de Janeiro (583; 15,05%), Minas Gerais (376; 9,71%) e Bahia (333; 8,6%).

Grande parte das manifestações trata de lentidão no Judiciário. A Bahia é o estado que concentra as reclamações sobre lentidão (40,58% do total do estado). Em seguida, vem o estado do Rio de Janeiro, com 227 manifestações sobre o assunto de um total de 596 demandas recebidas (ou 38,09%). Em terceiro lugar, está o Espírito Santo, com 86 demandas, das quais 29 relacionadas à morosidade processual.

A maior parte dos processos lentos corre na Justiça Estadual (54,01%). A Justiça Federal aparece em segundo lugar com 18,25% do total. Ainda segundo o relatório da Ouvidoria, 61,67% dessas ações judiciais encontram-se na  primeira instância; 33,33% na segunda instância; e apenas 5% diz respeito ao Superior Tribunal de Justiça e Tribunal Superior do Trabalho.

Cento e trinta e duas manifestações ou 3,3% do total  questionaram os processo em curso no próprio CNJ ou na Corregedoria Nacional de Justiça, que pertence ao Conselho. As reclamações sobre processos ainda não julgados representam 52,55% dos registros. Outros 36,5% são de processos já julgados e 26,28% sobre processos em fase de execução.

O segundo tema mais demandado não diz respeito à competência do CNJ (6,24% do total). Muitas dessas demandas estão relacionadas à atuação do Poder Executivo, Legislativo, Ministério Público ou Supremo Tribunal Federal, e foram encaminhadas para esses órgãos pela Ouvidoria do CNJ.

O terceiro tema mais tratado, segundo o relatório, refere-se à atuação dos magistrados (4,42% do total). Essas demandas abordam questões tais como a postura dos juízes ao lidarem com o jurisdicionado, o tratamento dispensado a advogado, o zelo no desempenho de suas funções, entre outros.

Inovações– O formulário do sistema eletrônico de atendimento e o correio eletrônico continuam sendo os meios mais usados para acesso à Ouvidoria. O primeiro recebeu um total de 88,9% dos registros e o segundo, 9,27%. As demandas recebidas por meio de cartas, ofícios e fax totalizaram 63 manifestações.

De acordo com o ouvidor, conselheiro José Adonis Callou de Araújo Sá, o CNJ vem investindo nesse canal de comunicação com a sociedade. A partir de 16 de março foram acrescentados novos campos ao formulário eletrônico da Ouvidoria, justamente com o objetivo de aperfeiçoar a coleta de dados. Nas ações relativas à morosidade, por exemplo, foram incluídas questões para verificar o órgão no qual o processo tramita, a instância, se chegou a ser julgado, se está em fase de execução, entre outros. Apesar do curto período de tempo para o levantamento desses dados, após a modificação do formulário, 27,93% dos registros continham os dados do processo.

Golpes- A Ouvidoria continua recebendo denúncias de tentativas de golpes contra pessoas que são partes em processos judiciais. Os golpistas usam de forma indevida o nome do CNJ e solicitam vantagens às vítimas mediante promessa de intermediação para recebimento de valores pendentes de pagamento em causas em tramitação no Poder Judiciário.

Giselle Souza
Agência CNJ de Notícias