Prefeitura de Sorocaba coloca 640 ex-presidiários no mercado de trabalho

A Coopereso, cooperativa de Sorocaba (SP) que promove a reinserção social de ex-detentos e de seus familiares, conseguiu, em três anos de existência, colocação no mercado de trabalho para 640 dos 800 atendidos no período. Um balanço das atividades da cooperativa foi apresentado, nesta segunda-feira (5/9), em São Paulo, pelo prefeito de Sorocaba, Vítor Lippi, durante o Encontro Nacional do Começar de Novo, realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A Coopereso nasceu de uma parceria entre a prefeitura e a Fundação Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel. A cooperativa desenvolve ações de capacitação profissional, de acesso à escolaridade e articula com órgãos públicos e empresas privadas oportunidades de trabalho. Dos 800 atendidos nos últimos três anos, metade era de egressos, e o restante, seus familiares. Hoje eles trabalham na reciclagem de entulhos, em limpeza, pintura, conservação de praças e em outras atividades.
 
Pacificação – “Outro dia eu fiquei emocionado, porque um senhor, ex-detento, chegou para mim muito feliz contando que havia conseguido abrir uma conta bancária. Outro homem estava feliz porque estava vestindo a camisa da prefeitura, e não do presídio”, lembrou o prefeito, comentando que a inclusão social tem o poder de pacificar as pessoas e abrir as portas para uma vida melhor, com mais dignidade. Ao final de sua explanação, Lippi recebeu o selo do Programa Começar de Novo das mãos do juiz auxiliar da Presidência do CNJ e coordenador nacional do Programa Começar de Novo, Luciano Losekan.
 
Já o diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizado Industrial de São Paulo (Senai/SP), Walter Vicioni, falou sobre o convênio que a entidade assina, nesta terça-feira (6/9), durante o Encontro Nacional do Começar de Novo, com a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo (SAP/SP). Serão investidos R$ 1 milhão, com o objetivo de oferecer capacitação profissional a 1.560 detentos e utilizar essa mão-de-obra para suprir as necessidades da indústria.

Reinserção – O Programa Começar de Novo foi criado pelo CNJ em 2009 com o objetivo de administrar, em nível nacional, ofertas de profissionalização e de emprego para detentos e ex-detentos. Voltado ao fortalecimento da cidadania e à redução da reincidência criminal, o programa conseguiu, desde então, ocupar 1.696 postos de trabalho (dados de 1/09/2011) em todas as regiões do País.

O encontro nacional do Começar de Novo acontece até esta terça-feira (06/09) na sede da Fiesp (Avenida Paulista, nº 1313, São Paulo). Tem o objetivo de mostrar ao empresariado de todo o País as vantagens da oferta de cursos de capacitação e de emprego para detentos e ex-detentos – uma vez que, além da promoção da cidadania e da prevenção da reincidência criminal, são vários os benefícios desse tipo de contratação.

Jorge Vasconcellos
Agência CNJ de Notícias

Deixe um comentário