Proposta de resolução sobre distribuição da força de trabalho entra em consulta pública

Você está visualizando atualmente Proposta de resolução sobre distribuição da força de trabalho entra em consulta pública
Compartilhe

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) coloca em consulta pública, a partir de 8 de janeiro, uma minuta de Resolução que dispõe sobre a distribuição da força de trabalho e de orçamento no âmbito do Poder Judiciário. O texto, proposto pelo Grupo de Trabalho instituído pela Portaria nº 155/2013, faz parte do relatório final com as atividades e propostas para a implementação de uma política nacional voltada à priorização do primeiro grau de jurisdição.

A consulta pública deve se estender até o dia 7 de fevereiro. O envio de comentários e sugestões deverá ser feito através do e-mail consultapublica@cnj.jus.br. Poderão contribuir com a consulta pública magistrados, servidores, associações de classe, sindicatos ou qualquer cidadão interessado.

De acordo com o relatório final do Grupo de Trabalho, entregue no dia 16 de dezembro ao presidente do CNJ, ministro Joaquim Barbosa, a proposta de resolução busca conferir autonomia à justiça de primeiro grau, além de descentralizar e democratizar o debate sobre os investimentos necessários ao aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.
 
“A má distribuição dos recursos disponíveis nos tribunais, notadamente entre as unidades de primeiro e segundo graus, configura-se como uma das principais causas do desempenho insuficiente da primeira instância. Em razão disso, o uso adequado desses recursos merece destaque dentre as linhas de atuação da Política de Priorização do Primeiro Grau de Jurisdição”, diz o documento.

Minuta – A minuta de resolução prevê uma série de medidas voltadas para a melhoria da distribuição da força de trabalho, a partir da demanda processual de cada área. O texto determina, também, que seja feita a redistribuição dos servidores das áreas de apoio direto à atividade judicante quando a taxa de congestionamento de um grau de jurisdição superar em 10 pontos percentuais a do outro. O objetivo é ampliar temporariamente a lotação no setor mais congestionado para tornar possível a redução do acervo.

A minuta ainda estabelece regras para a distribuição de servidores da área de apoio direto à atividade judicante entre primeiro e segundo graus e dentro do mesmo grau de jurisdição, como também dos servidores das áreas de apoio indireto, assim consideradas aquelas que não impulsionam diretamente a tramitação do processo judicial. Disciplina, ainda, a distribuição de cargos em comissão e funções comissionadas

Incentivo – A proposta também estabelece que a lotação de todos os servidores, com descrição dos cargos em comissão e funções comissionadas ocupadas, seja divulgada periodicamente pelo tribunal. “É preciso incentivar a transparência também nessa área. Todos precisam saber onde estão lotados cada um dos servidores do tribunal e a lotação total de cada unidade, até para que possam conferir ser a distribuição equânime da força de trabalho, estabelecida pela resolução, de fato está sendo observada”, afirma o relator da proposta, conselheiro Rubens Curado.

No tocante à distribuição orçamentária, a resolução disciplina os seguintes aspectos: identificação e distribuição proporcional do orçamento entre primeiro e segundo graus, com publicização dos valores planejados e executados; participação efetiva de magistrados e servidores no planejamento e na execução do orçamento (“governança colaborativa do orçamento”); e aperfeiçoamento da qualidade da execução orçamentária.

Clique aqui para ter acesso ao relatório final do Grupo de Trabalho e conhecer a íntegra da minuta que será colocada em consulta pública.

Tatiane Freire
Agência CNJ de Notícias

Matéria atualizada em 08/01/14, às 13:35.