Senado aprova regulamentação das audiências de custódia

Você está visualizando atualmente Senado aprova regulamentação das audiências de custódia
Compartilhe

Iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) disseminada em diversos estados brasileiros, a regulamentação das audiências de custódia (Projeto de Lei do Senado n. 554/2011) foi aprovada nesta quarta-feira (9/9) pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal. Caso não haja recurso para votação em Plenário, a proposta será enviada diretamente para a Câmara dos Deputados.

O projeto Audiência de Custódia foi lançado pelo CNJ em fevereiro de 2015, como projeto-piloto em São Paulo, e desde então é desenvolvido por meio de acordos firmados com tribunais e governos estaduais. A metodologia desenvolvida pelo CNJ parte dos pressupostos do Pacto de San José da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário, que prevê a apresentação do preso em flagrante a um juiz no menor prazo possível.

Os senadores da CCJ analisaram substitutivo ao projeto de lei do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE). O texto aprovado estabelece prazo máximo de 24 horas para o preso em flagrante ser apresentado ao juiz e determina que tanto o ato quanto o local da prisão sejam comunicados imediatamente ao juiz, ao Ministério Público, à Defensoria Pública ou ao advogado e à pessoa indicada pelo preso.

O texto aponta que o delegado deve determinar medidas para preservar a integridade do prisioneiro nos casos de maus-tratos e apurar responsabilidades. Determina, ainda, que as informações obtidas na audiência de custódia devem ser registradas em autos diferentes do processo principal e não podem servir de meio de prova contra o depoente, tratando apenas da legalidade da prisão em flagrante.

“Procuramos harmonizar o texto com a Constituição, o Código de Processo Penal e outras legislações correlatas. Estamos discutindo uma coisa que já está acontecendo em 16 estados por iniciativa do Conselho Nacional de Justiça”, comentou o relator, senador Humberto Costa (PT-PE).

O substitutivo aprovado retirou a possibilidade de fixação de cautelar pelo delegado de polícia e estabeleceu prazo de 12 meses para a vigência da futura lei nos municípios que não forem sede de comarca. Também deixou expresso que o eventual descumprimento do prazo para apresentação do preso ao juiz não motiva o relaxamento da prisão em flagrante.

Agência CNJ de Notícias com informações da Agência Senado