Sistema que dará suporte em decisões da saúde está em fase de finalização

Você está visualizando atualmente Sistema que dará suporte em decisões da saúde está em fase de finalização
Compartilhe

Reunido em São Paulo nesta segunda-feira (19/12), o Comitê Executivo Nacional do Fórum Nacional do Judiciário para a Saúde do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) fez sua última reunião do ano. No encontro, os integrantes do colegiado acertaram os últimos ajustes para a implementação do banco de dados que fornecerá informações técnicas aos magistrados que atuam com processos relativos à judicialização da saúde.

“A reunião foi muito produtiva. Aprovamos os formulários de solicitação e fornecimento de notas técnicas que serão a base do sistema”, explicou o conselheiro Arnaldo Hossepian, coordenador do Fórum. Em fevereiro, está marcado um novo encontro.

O banco de dados é resultado de um termo de cooperação técnica firmado entre o CNJ e o Ministério da Saúde. O sistema conterá notas técnicas, análises de evidências científicas e pareceres técnico científicos consolidados, emitidos pelos Núcleos de Avaliação de Tecnologia em Saúde (NATs) e de Apoio Técnico do Poder Judiciário (NAT-Jus), pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no Sistema Único de Saúde (Conitec), além de informações da biblioteca do Centro Cochrane do Brasil (instituição sem fins lucrativos) e outras fontes científicas.

A capacitação dos integrantes dos NATs e dos NAT-Jus está a cargo do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, que investirá, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde, cerca de R$ 15 milhões, ao longo de três anos, para criar a estrutura da plataforma, Caberá ao CNJ resguardar as informações e torná-las acessíveis aos juízes.

Atualmente, 10 tribunais contam com NATs-Jus para dar apoio aos juízes: Acre, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins. “Vamos iniciar também um trabalho de convencimento com os tribunais que ainda não instalaram os núcleos para atender os seus magistrados”, afirmou Arnaldo Hossepian.

Gastos elevados – Levantamento do Ministério da Saúde mostra que, desde 2010, os gastos da União com ações judiciais para aquisição de medicamentos, equipamentos, insumos, realização de cirurgias e depósitos judiciais cresceram 727%. Somente no ano passado, a quantia atingiu R$ 5 bilhões.

Thaís Cieglinski
Agência CNJ de Notícias