Portuguese PT English EN Spanish ES
CNJ realiza encontro de ouvidorias do Poder Judiciário
CNJ realiza encontro de ouvidorias do Poder Judiciário
1º Encontro CNJ de Ouvidorias do Poder Judiciário. Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizou, na terça-feira (15/12), a abertura do 1º Encontro CNJ de Ouvidoria do Poder Judiciário, contando com a participação das ouvidorias dos tribunais de todos os ramos da Justiça. No evento, o presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, e o Ouvidor Nacional de Justiça, conselheiro André Godinho, assinaram portaria conjunta para instituir canais para receber demandas específicas sobre violência contra a mulher, direitos humanos e meio ambiente.

De acordo com Fux, o Encontro de Ouvidorias é uma iniciativa pioneira “na promoção do intercâmbio de dados, conhecimentos, informações e experiências entre as Ouvidorias dos tribunais, visando ao fortalecimento e à disseminação de mecanismos de participação e controle social, bem como de avaliação de políticas públicas e serviços públicos pelos cidadãos”. A expectativa, segundo o ministro, é que o evento traga subsídios para o aprimoramento da gestão judiciária, em especial com o fortalecimento dos mecanismos de participação social no monitoramento de todas as ações do Poder Judiciário.

O ouvidor-geral do CNJ, conselheiro André Godinho, destacou que, apesar da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, a Justiça manteve seus serviços à população, orientada por normas do Conselho. Ele afirmou que, nesse período, as demandas das ouvidorias aumentaram – houve crescimento de 6% nas demandas entre dezembro de 2019 e novembro de 2020, em relação ao mesmo período do ano anterior. “O serviço foi imprescindível para acolher, tratar e responder de maneira eficiente as manifestações recebidas.”

A maior queixa registrada pela Ouvidoria do CNJ refere-se à morosidade dos processos, que representou 57,8% das queixas. De acordo com Godinho, esse é um tópico permanente na Ouvidoria, que sempre representou mais de 50% das demandas recebidas. O conselheiro destacou ainda o termo de cooperação firmado com a Ouvidoria do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a construção de um curso de formação para os servidores das ouvidorias judiciárias, que estará disponível no primeiro trimestre de 2021.

Relevância

Os representantes das ouvidorias dos tribunais superiores parabenizaram o CNJ pela realização do evento, uma vez que demonstra a importância do trabalho realizado pelas ouvidorias como ferramenta estratégica de gestão das instituições judiciárias. Segundo a ouvidora do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Simone Trento, a troca de experiências entre órgãos que têm a mesma atividade pode enriquecer a capacidade de trabalho. Ela destacou também que, em um momento que se discute a participação feminina na vida política e no Judiciário, o encontro vem em momento oportuno para discutir normas de enfrentamento ao assédio moral e sexual no ambiente de trabalho.

O ministro Artur Vidigal de Oliveira, do Superior Tribunal Militar (STM), afirmou que os debates contribuirão para o aperfeiçoamento dos serviços das ouvidorias, da transparência, da equidade, da prestação de contas e da responsabilidade corporativa, que são princípios de governança. “A ouvidoria judiciária tem estrutura para manter uma relação diferenciada entre o cidadão e a gestão. Isso implica em participação e envolvimento de todas as estruturas institucionais por meios tecnológicos, que viabilizam o fluxo das manifestações das unidades e órgãos competentes, produzindo agilidade e presteza no retorno. A atuação da ouvidoria, assim, é estratégica para o entendimento do cidadão leigo sobre o Judiciário.”

Para a ministra Maria Helena Mallmann, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a ouvidoria é importante como elo direto com a sociedade e forma de controle social. O Poder Judiciário também cresce, de acordo com ela, com o diálogo permanente com os cidadãos.

Já o ouvidor do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Sergio Kukina, destacou que as instituições estão passando por momentos de transformação. Um exemplo é a adequação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), um dos assuntos que serão discutidos no evento. Ele destacou ainda a nova política de segurança da informação, aprovada pelo Conselho da Justiça Federal (CJF), afirmando que “quem detém a informação precisa fazer bom uso dela, com boa gestão e informação compartilhada”.

O evento foi até quarta-feira (16/12) e debateu temas relacionados à Lei de Acesso à Informação (LAI) e a responsabilização dos Agentes Públicos, a LGPD, além dos projetos que estão sendo desenvolvidos pelas ouvidorias dos tribunais.

Lenir Camimura Herculano
Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu